21 de dez de 2011

Economia Clássica - Trabalho 2

Aos cursistas de Economia Clássica!!

O prazo da segunda atividade encerra-se dia 21/12.

Nao percam o prazo!!!


Prof. Idaildo

Economia Politica - Trabalho 2

Aos alunos do Curso de Economia Politica


O Segundo trabalho foi enviado para todos.

O prazo desta atividade é até o dia 27/12.


Feliz Natal!!!!

Prof. Idaildo Souza

16 de dez de 2011

Contribuição ao entendimento do método da economia política, segundo Marx (por Claus Germer) Leia mais: http://adrianonascimento.webnode.com.br/news/contribui%c3%a7%c3%a3o%20ao%20entendimento%20do%20metodo%20da%20economia%20politica%2c%20segundo%20marx%20%28por%20claus%20germer%29/ Crie seu site grátis: http://www.webnode.com.br




Prof. Idaildo Souza

Monografia no Programa Especial - Alguns ítens que compoem a avaliaçao na defesa.

A avaliaçao do trabalho monográfico é criterioso e imparcial.

Para tanto, é necessário observar alguns requisitos, afinal, estes pesarao contra o trabalho no estabelecimento da nota.

Veja alguns que, comumente encontra-se os "pecados" no trabalho:

1 - Redaçao - Deve ser clara e objetiva, além de cumprir as normas da ABNT. Assim, citaçoes, exposiçao de figuras e tabelas devem ser observadas se cumprem as normas. Outro detalhe nesse ítem, é que seja observado entre o conteúdo elabora e o titulo proposto.
2- Coerencia  - Este aspecto normalmente é observado entre os elementos do trabalho, tais como, titulo, objetivos, metodologia, resultados e a conclusao. Cabe ainda lembrar que o resumo e a introduçao devem manter relaçao com o texto elaborado. Faça busca de como elabora-los.
3 - Articulaçao - Este aspecto é bastante observando entre a teoria e metodologia. É comum  a teoria aparecer como elemento desconexo do tema tratado. A articulaçao também é ponderada na interpretaçao e/ou no tratamento dos dados. Assim, muito cuidado. Nao exponha muitas informaçoes sem que seja feita a analise.
4 - Linguagem - Já praticamente esclarecida no aspecto redacional. Contudo, ainda falta a questao técnica. A linguagem técnica apresentada no texto deve ser clara e adequada, além de seguir uma sequencia lógica.
5 - Revisao bibliográfica - Mesmo apresentado em quinto lugar, nao é um dos aspectos mais importantes. A revisao deve ser atual e adequada.


Prof. Idaildo Souza

Leitura - importante processo do ensino aprendizagem!

Acredita-se que por falta de hábito de leitura, os alunos ao depararem-se com a leitura de textos filosóficos e técnicos, sintam uma "tremenda" dificuldade de compreensão. Certeza que essas dificuldades são graves, porém são obstáculos superáveis.
Para compreender o que leu, o estudante precisa decodificar a mensagem do texto ou livro e, em seguida, aplicá-la. Para que se tenha maior apropriação das idéias do autor, é necessário que se estabeleça um diálogo direto com ele, transformando-se até em co-autor, participando ativamente das idéias que estejam sendo exploradas, reescrevendo o mundo. Quando lemos sem o devido comprometimento com o texto, não nos apropriamos do conhecimento; apenas memorizamos a palavra escrita.
A comunicação ocorre quando há transmissão entre um emissor e um receptor e sem ruído na comunicação. Quando o autor escreve um texto, codifica uma mensagem que, por certo, foi anteriormente pensada e concebida. O leitor, ao fazer a leitura, decodifica a mensagem do autor e completa a comunicação.
A importância da comunicação traduz melhor percepção do ato de ler que, por certo, implica crítica, interpretação e uma reescrita do que foi lido, associando a construção do meio ambiente do leitor ao mundo das palavras do autor.
O leitor, ao fazer uma leitura analítica e reflexiva, deve observar o contexto em que o texto está inserido, pois isso facilita a compreensão da abordagem feita. Algumas dicas para que se realize uma leitura eficaz:
1. Tenha sempre um objetivo definido. Para que está lendo? Qual o propósito da sua leitura?
2. Respeite seu ritmo de leitura. Com o tempo e prática ganhará velocidade.
3. Caso haja palavras desconhecidas no texto, recorra ao dicionário.
4. Procure saber um pouco da biografia do autor, para perceber a visão dele.
5. Analise as partes do texto e faça a junção deles.
6. Saiba fazer uma triagem do que esteja lendo e perceba sua aplicabilidade no momento.
7. Evite sublinhar o texto na primeira leitura. Faça primeiramente uma leitura de reconhecimento e, em seguida, realize uma leitura reflexiva.

14 de dez de 2011

ECONOMIA POLITICA x ECONOMIA




ECONOMIA POLÍTICA
_ “Economia Política é a ciência das leis que regem a produção e a distribuição de bens materiais (SOP – e serviços) para atender as necessidades humanas”. (LANGE, 1981).

_ “Economia Política é a ciência que estuda as relações sociais de produção, circulação e distribuição de bens materiais, definindo as leis que regem tais relações” (SANDRONI, Paulo, Dicionário de Economia).


ECONOMIA
“Economia é a ciência da administração dos recursos escassos na sociedade humana” (LANGE, 1985),
_ “Economia é o estudo de como a sociedade administra seus recursos escassos” (MANKIW, 2006)


OS MÉTODOS POR TRÁS DO CONCEITO DE ECONOMIA POLITICA
_ É uma concepção mais abrangente;
_ Explicita as relações de classe que existem na sociedade, ao se referir as relações sociais de produção e de distribuição;
_ Na concepção marxista destaca o caráter histórico das leis econômicas, e se utiliza do método materialista histórico dialético.


OS MÉTODOS POR TRÁS DO CONCEITO DE ECONOMIA
_ Uma visão mais restrita;
_ Destaca o problema fundamental da economia: A lei da escassez;
_ É um método positivista;
_ Utiliza largamente os métodos quantitativos, na busca de “objetividade científica” e “exatidão”.


NOÇÕES SOBRE IDEOLOGIA
_ MARX: Uma “visão social do mundo”, uma “falsa consciência” pertencente a classe econômica e politicamente dominante;
_ LENIN: Toda classe tem sua própria “ideologia”, as classes revolucionárias tem uma visão social do mundo mais realista;
_ MANNHEIM: “ideologia” (classe dominante) X “utopia” (classe dominada).

IDEOLOGIA NA SOCIOLOGIA DO CONHECIMENTO
_ Positivismo;
_Historicismo;
_Marxismo.

Agora você já pode pesquisar sobre cada uma ideologia e ter uma noçao da razao de estudar a Economia Politica.



Prof. Idaildo Souza

Trabalho de Economia Classica - Retificando

Oi turma,

O prazo de entrega do fichamento dos capitulos 2 e 3 do livro abaixo, fica prorrogado para o dia 17/12.


GREMAUD, Amaury Patrick, et al. Manual de Economia. Organizadores: Diva Benevides Pinho, Marco Antonio Sandolval de Vasconcellos.  5a. Ed. São Paulo: Saraiva, 2005.


Retirem o livro do VICECONTI  da lista.
Gratos pela compreensao.


Prof. Idaildo Souza



Elaborando um fichamento no Programa Especial de Economia


O fichamento é um registro dos estudos de um livro ou texto, esse registro é feito em fichas e estas tem critérios para serem elaboradas. O fichamento facilita a execução dos trabalhos acadêmicos e a assimilação dos conteúdos estudados. Nosso objetivo é dar um exemplo de texto com parte de seu conteúdo fichado, e a outra parte para que o aluno exercite, sem a pretensão do rigor acadêmico que exige um fichamento. É mesmo um exercício de como facilitar o estudo e a fixação do conteúdo de textos.
Existem alguns critérios básicos para fazer um fichamento, não dá para burlar estes passos, sem eles não há fichamento, seguiríamos fazendo um resumo, e não é este o objetivo.

Primeiro passo:
Fazer uma leitura de todo o texto, ou do capítulo do livro, para somente se inteirar do assunto tratado. Neste momento pode-se anotar algum vocabulário não conhecido para posterior busca de sentido no dicionário. (leitura panorâmica).

Segundo passo:
Fazer uma segunda leitura, agora mais criteriosa e para isso divida o texto em partes, de um subtítulo a outro, por exemplo, e a cada parágrafo vá grifando a idéia central do texto, conectando-a com a idéia de outro parágrafo e assim por diante. Algumas vezes é necessário voltar a ler o parágrafo mais de uma vez.
Observe as chamadas palavras chaves, porque abrem possibilidades de ideias no texto, elas são importantes para um bom entendimento do conteúdo.

Terceiro passo:
Terminado a grifagem do texto, transcreva-o tal e qual como está no livro, releia-o e verifique a ordem e a lógica fiel ao conteúdo abordado.
Esta é uma maneira de se fazer um fichamento. Quando precisar ler o texto ou o livro novamente, ficará mais rápido de recordar os dados pela releitura do fichamento do mesmo.

O fichamento assim deve conter os seguinte tipos de fichas, ou no nosso caso, deve conter as seguintes partes:

1. Uma seçao de leitura: Onde se registram informações bibliográficas completas, anotações sobre tópicos da obra, citações diretas, juízos valorativos, comentários.
2.  Uma seção de indicação bibliográfica: A indicação de referências bibliográficas é feita segundo normas da ABNT. Pesquisar a ficha catalográfica, que consta das primeiras páginas de um livro, para a transcrição das referências, ou dos elementos constantes da folha de rosto. Periódicos apresentam indicações dos elementos identificadores na primeira página, ou na capa.
3.    Seção de resumo: Redução de um texto as suas idéias principais, parafraseando o autor com o intuito de compreender o texto a fim de elaborar um novo, apresentando uma síntese das idéias do autor. Expor abreviadamente as idéias do autor. Não se faz uso de citações.
4.    Seção de transcrição: A transcrição direta exige a colocação de aspas no início e no final do texto. Consiste na reprodução fiel de textos do autor citado. Se já houver no texto transcrito expressão aspeada, tais aspas devem ser transformadas em aspas simples.
Aqui, cabe observar alguns aspectos:
  •  Indica-se o número da página de onde foi transcrito o texto. Se houver erros de grafia ou gramaticais, copia-se como está no original e escreve-se entre parênteses (sic.).
  • A supressão de palavras é indicada com três pontos entre parênteses. Supressões iniciais ou finais não precisam ser indicadas; A supressão de um ou mais parágrafos intermediários é indicada por uma linha pontilhada; Ao transcrever um texto é preciso rigor, observando aspas, itálicos, maiúsculas, pontuação, etc. Não se deve alterar o texto de nenhuma forma.
5.  Seção de comentários: Devem-se analisar os aspectos quantitativos e depois os qualitativos, desta forma, podem-se acrescentar comentários sobre extensão do texto, sua constituição (ilustrações, exemplos, bibliografia, citações, etc.), conceitos abordados. Em aspectos qualitativos, recomendam que se atenha à análise e detecção da hipótese do autor, objetivo, motivo pelo qual escreveu o texto, as ideias que fundamentam o texto. Deve o comentarista verificar se a exemplificação é genérica ou específica, se a organização do texto é clara, lógica, consistente, e o tom utilizado na exposição é formal ou  informal, se há pontos fortes e fracos na argumentação do autor, se a terminologia é precisa. Tais comentários podem ser feitos após as transcriçoes. Contudo, ao final, deve-se ainda dizer se a conclusão é convincente e quem será beneficiado pela leitura do texto. Finalmente, deve fazer uma avaliação da obra.

O ideal é que a seçao de transcriçao e de comentários sejam mixadas, ou seja, para cada transcriçao, seja realizado os comentários sobre o assunto em epígrafe.




Prof. Idaildo Souza

13 de dez de 2011

O resumo - Dicas para resumir um livro.


Voltando a discutir sobre o resumo, vamos abordar a elaboração do resumo de um livro.
Acredito que todos já tenham consciência do primeiro passo: ler o livro.
Assim, o resumo exige atenção por parte do leitor. Ele deve tirar de todo o texto o mais importante, o objetivo principal (foco) do autor.
Vale lembrar que resumir, significa reproduzir com poucas palavras o que o autor disse.
Tendo conhecimento disso, o leitor dever buscar resumir as ideias expressas no livro de maneira objetiva.
Para facilitar essa tarefa, precisamos ficar atento a alguns pontos no momento da construção do resumo:
 - A leitura é essencial para saber do que trata-se no livro;
- Faça um esforço para reler, pois na releitura você sera capaz de fazer reflexões e retirar as principais ideias, deixe a preguiça do lado;
- Atente para os detalhes. Esses não deverão ser utilizados no resumo como ideia principal.
- Caso seja possível, faça o resumo por partes, no caso de haver capítulos ou subtópicos; 
Não disponham os diálogos, caso a obra tenha tais escritos; 
- Nem pense em discutir as ideias do autor, apenas destaca-las objetivamente;
- Não esqueça de cuidar a coerência, tipo, não fazer um resumo proporcional ao tamanho da obra.
- Considere que o resumo pode equivaler de 20% a 30% do tamanho do livro;  
Evite expressões do tipo “segundo o autor”, “o autor afirmou que” ; 
- Ao chegar no termino do resumo, não esqueça de ler o que você escreveu, afinal, coerência é fundamental e um simples erro de concordância pode prejudicar a qualidade. Além disso, precisa observar se o resumo esta refletindo a ideia principal do livro; 
- Por fim, é sempre bom pedir que outra pessoa leia. Faça isso e deixe ela expressar o que entendeu.


Espero ter contribuído e motivado a produção de seus resumos.


Prof. Idaildo Souza

Elaborando a introduçao do seu trabalho monográfico


A introdução, num trabalho monográfico, faz parte dos elementos textuais obrigatórios. Ela deve mostrar a ordem lógica do trabalho, retomando o que já foi escrito sobre o tema de forma sucinta.
Assim, precisa-se entender que ela serve para apresentar a relevância e o que levou o autora a interessar-se pelo tema (chamado de justificativa).
Cabe lembrar que o autor não escreve para sí, portanto, na introdução ele deverá descrever o que o leitor encontrará em cada capitulo (de forma sucinta e objetiva) ou em todo o trabalho.
Em geral, ela consiste na apresentação geral do trabalho, fornecendo uma visão global do assunto tratado, com uma definição clara, objetiva e concisa do tema tratado.
Fazem parte da introdução:
Tema: descrever de forma sucinta do que se trata do trabalho, o tema, o assunto, o contexto atual deste assunto, a importância para a sociedade. Esclarecer brevemente, só citar, a metodologia utilizada.
Problema: deixar bem claro o problema da pesquisa que foi realizada, expressa em forma de pergunta. Deve-se ainda escrever as hipóteses ou as questões de pesquisa.
Objetivos: escrever o objetivo geral e os específicos.
Justificativa: é preciso deixar claro o porquê da pesquisa, a importância dela para você e para a sociedade.
Contextualizar o espaço da pesquisa: o campo da pesquisa deve ser descrito situando o leitor quanto ao local e também os sujeitos que participaram da pesquisa.
Organização do trabalho: é preciso descrever a forma como a monografia está organizada, por exemplo, apontando o que será discutido no primeiro capítulo, no segundo e assim por diante.
Espero que possam elaborar a introdução com maior coerência e facilidade.


Pfo. Idaildo Souza

Programaçao do curso de Economia Clássica

Saudaçoes cursistas!!

Segue o programa do curso.

Busquem os livros, pois será necessário a utilizaçao.






UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE
PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS APLICADAS
DEPARTAMENTO DE ECONOMIA


PROGRAMA DA DISCIPLINA
Economia Clássica
Curso de Economia
Carga Horária – 60 Horas
Professor: Msc. IDAILDO SOUZA DA SILVA


 EMENTA
A economia como aspecto especifico do conhecimento; a fisiocracia; Adam Smith e o nascimento da economia política clássica; Ricardo e o problema da distribuição; o declínio da economia ricardiana e o fim da economia política clássica.


OBJETIVOS
Apresentar as principais contribuições ao pensamento econômico chamado "clássico", incluindo os antecedentes fisiocratas.

CONTEÚDO

1- FISIOCRATAS
      - Fisiocracia : fundadores e princípios
      - Conceitos principais: ordem natural, liberalismo econômico, produto líquido
      - Funcionamento do sistema econômico: tableuau economíque
      - Divisão da sociedade em classes (produtivas e improdutivas).
2- ADAM SMITH
      - Princípios defendidos
      - A Riqueza das Nações: trabalho, a divisão social do trabalho, preço natural, preço de mercado
      - O funcionamento do sistema econômico: a mão invisível
      - O papel do Estado na economia.
3- RICARDO
      - A teoria Ricardiana sobre a renda da terra (fundamentos)
      - Ricardo e a formação do valor
      - A Teoria do Valor-Trabalho
      - A Lei das vantagens comparativas de Ricardo
      - Neo-Ricardianos
      - Sraffa: Produção de mercadorias por mercadorias
      - Napoleoni: O valor na ciência econômica



METODOLOGIA: Aulas, trabalhos, fichamentos e resenhas.

AVALIAÇÃO: Exercícios, provas, trabalhos, fichamentos e resenhas.



BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BRUE, Standey. História do Pensamento Econômico. São Paulo: Thomson learning, 2006.
RICARDO, David. Princípios de Economia e tributação. Trad. port. São Paulo, Abril Cultural, Col. "Os economistas", 1982.
SMITH, Adam. A Riqueza das Nações. Trad. port. São Paulo, Abril Cultural, Coleção "Os economistas". Vol. I, 1983.
GREMAUD, Amaury Patrick, et al. Manual de Economia. Organizadores: Diva Benevides Pinho, Marco Antônio Sandoval de Vasconcellos.  5a. Ed. São Paulo: Saraiva, 2005..


BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BOBIO e BOVERO (1979) Sociedade e Estado na Filosofia Política Moderna, S.P.: Brasiliense, 1986.
COUTINHO, M. (1993) Lições de Economia, S.P.: Abril cultural, coleção os economistas, 1983.
CARNEIRO, Ricardo (org.). Os Clássicos da Economia. Vol I, São Paulo, Ática, 1997.
DOBB, M. Teorias do Valor e da Distribuição. Trad. port. Lisboa, Presença, 1977.
GAREGNANI, P. "Sobre a teoria da distribuição e do valor em Marx e nos economistas clássicos." In: GAREGNANI, P. et. alli. Progresso técnico e teoria econômica. São Paulo, Hucitc/UNICAM, 1980.
HUME (1752) Escritos sobre Economia, S.P.: Abril cultural, coleção os economistas, 1983.
KUNTZ, R.Capitalismo e Natureza. São Paulo, Brasiliense, 1982.MEEK, R. Economia e Ideologia. Rio de Janeiro, Zahar, 1971.
NAPOLEONI, C. O Valor na ciência econômica. trad. port. Lisboa, Presença, 1980.
NAPOLEONI, Claudio. Smith, Ricardo, Marx. Trad. port. Rio de Janeiro, Grael, 1978. QUESNAY, F. Quadro Econômico. São Paulo, Abril Cultural, 1982.
SRAFFA, Pierro. Produção de Mercadorias por meio de mercadorias. Trad. port. São Paulo, Abril, 1980. Cultural, Col. "Os economistas", 1982.